NAÇÃO EM CENA: BRASIL, TEATRO NO SÉCULO XIX

05/07/2016 15:41

227 páginas – 1ª edição – 2010

 

 

A obra de Jussara Bittencourt de Sá apresenta uma análise das concepções de nação e de nacionalidade em peças do teatro brasileiro, circunscritas à segunda metade do século XIX. Em confronto/diálogo com a cena brasileira, percebe-se a representação do estrangeiro, seja daquele que para cá se desloca a negócios, seja do que vem para cá como imigrante. Pode-se avaliar como os dramaturgos procuraram a presença do “outro” para refletir sobre a representação da própria nação. A presença de estrangeiros em confronto, conflito, negociações com o elemento nacional, visto em suas diferentes dimensões de classe, constitui-se, nesse sentido, em chave essencial para a compreensão do imaginário sobre a nação em que peças teatrais do século XIX, de autores como José de Alencar, Martins Pena, França Júnior, Visconde de Taunay e Paulo Eiró, colocam em cena.

Discutindo a participação do personagem estrangeiro na trama dessas peças, a autora mostra que figurantes distintos representavam em cena as vozes dos diferentes segmentos da sociedade brasileira. Com esta iniciativa, a Editora da UFSC torna acessível a acadêmicos e a interessados em teatro uma obra que, empenhada em fazer falar o discurso dramático oitocentista, amplia a reflexão sobre o contexto histórico em que se forjou a nação.

Jussara Bittencourt de Sá nasceu em Tubarão, em Santa Catarina, e é mestra e doutora em Literatura pela UFSC. Publicou a obra Cazuza no vídeo O tempo não para (em 2006).


HOMENS E ALGAS

05/07/2016 15:41

175 páginas – 5ª edição – 2007

 

Os contos de Homens e Algas abordam com extrema sensibilidade a vida de privações dos pescadores de Florianópolis durante a primeira metade do século passado. São relatos pungentes de vidas passadas na miséria, repletos de cenas de desespero pela fome, pela doença e pela morte.
 


HISTÓRIA DO GOSTO E OUTROS POEMAS

05/07/2016 15:41

237 páginas – 1ª edição – 1997

 

Este trabalho tem a preocupação de dar ao público parte dos inéditos de Ernani Rosas, autor de copiosa produção poética mas pouco publicado e menos ainda conhecido do público. Simbolista, contemporâneo de Cruz e Sousa, autor de requintada poesia, Ernani Rosas vem, finalmente, recebendo reconhecimento pela importância de sua obra.


EDIFÍCIO ROGÉRIO

05/07/2016 15:41

294 páginas – 1ª edição – 2010

 

 

O cinema moderno é, geralmente, coisa de cineastas cinéfilos. O que pode parecer redundância revela, entretanto, que esse amor do cinema a si mesmo não é autocomplacente, mas exigente. Tal amor ao cinema exigiu inteligência e rigor, envolvimento apaixonado e distanciamento crítico, por parte de alguns cineastas modernos que exerceram a atividade crítica, como Rogério Sganzerla. Nesses artigos, organizados e publicados em dois volumes pela Editora da UFSC, Sganzerla passa da crítica de filmes específicos da época, mais ou menos conhecidos pelo grande público, até chegar à revisão crítico-teórica do cinema moderno, de seus antecedentes e repercussões, incluindo a reflexão sobre seus próprios filmes. O primeiro volume reúne textos de Rogério Sganzerla, originalmente publicados entre 1964 e 1967 no Suplemento Literário do jornal O Estado de São Paulo. O segundo, reúne publicações de 1980 e 1990, extraídos dos jornais Correio Brasiliense, Folha de São Paulo, Jornal da Bahia, Jornal do Brasil e Jornal de Brasília.


DESENHO GEOMÉTRICO

05/07/2016 15:41

314 páginas – 3ª edição – 2010

 

ESGOTADO – disponível na 4ª edição

 

Resultado de longa experiência didático-pedagógica, este livro aborda, com simplicidade, todos os conteúdos do Desenho Geométrico, possibilitando uma aprendizagem imediata, através de aplicação da teoria em problemas práticos e objetivos. Sua concepção permite que o aluno participe das construções geométricas, na própria sala de aula, cabendo ao professor adequar e dosar os conteúdos aos objetivos do curso, tempo disponível e nível dos alunos.


NOVAS PRÁTICAS ALIMENTARES NO MERCADO GLOBAL

05/07/2016 15:41

334 páginas – 1ª edição – 2010

 

Em suas prateleiras encontramos cada vez mais alimentos orgânicos e funcionais. Quais são os significados dessa transformação com referência às percepções de riscos alimentares e, sobretudo, aos estilos de vida contemporâneos? Como se estabelecem as interações global-locais no enverdecimento da produção para o consumo alimentar? Essas questões são tratadas no livro a partir de contribuições teóricas que envolvem a teoria da modernização ecológica e a teoria dos fluxos globais e de estudos empíricos que abordam temas atuais, como a centralidade das redes de supermercados, os desafios da certificação e rotulagem, o papel da mídia, o crescimento dos alimentos funcionais e orgânicos e o papel do Estado no controle dos riscos alimentares e na garantia dos direitos dos consumidores. Os capítulos do livro cobrem um espectro de temas que, dada a sua relevância contemporânea e a sua perspectiva global, são de interesse de pesquisadores e estudantes que procuram um entendimento interdisciplinar das transformações do mercado alimentar no século 21.


ANATOMIA SISTÊMICA: UMA ABORDAGEM DIRETA PARA O ESTUDANTE

05/07/2016 15:41

185 páginas – 2ª edição – 2010

 

Este livro trata do estudo da anatomia humana, descrita e analisada a partir dos diversos sistemas e aparelhos que compõem o corpo humano. Além de uma abordagem inicial e conceitual sobre o estudo da anatomia, cada capítulo traz os aspectos essenciais anatômicos e funcionais de um sistema corporal. O livro tem uma linguagem direta, simples, acessível e direcionada ao estudante de graduação da área biológica e da saúde sobre a anatomia, tornando-a mais compreensível, clara e menos árida. Visa atender às necessidades básicas requeridas pelas diferentes práticas profissionais da área da saúde. A confecção do livro teve como ponto inicial resumos e anotações compiladas durante estudos teóricos e práticos feitos por Juliano Córdova Vargas, durante sua graduação em Medicina. Estes textos foram revisados e aprimorados pela professora Carla Gabrielli, doutora em Anatomia e docente na UFSC desde 1991, procurando manter a visão do estudante de graduação acerca da anatomia. O conteúdo textual é conciso e objetivo, segue a Terminologia Anatômica oficial e foi reforçado com desenhos e esquemas feitos à mão livre.


ANTROPOLOGIA DO CIBERESPAÇO

05/07/2016 15:41

174 páginas – 1ª edição – 2010

 

ESGOTADO

 

Os ensaios deste livro são uma primeira aproximação consolidada como resultado de vários anos de pesquisa e análise do campo de estudos da antropologia no ciberespaço. Foram produzidos em épocas diferentes, estilos diferentes, abordagens diferentes, mas com um mesmo objetivo que é a reflexão crítica. Seus autores procuraram seguir um princípio básico que tem sido a nossa divisa, nossa marca registrada: colocar sempre em primeiro plano a dimensão vivencial das experiências sociais analisadas. Somos nativos do ciberespaço e o nosso olhar sobre ele está situado na fronteira entre a nossa observação e a nossa experiência. Numa tal antropologia, em que sujeitos e objetos se encontram, o diálogo se impõe como uma necessidade, assim como a postura crítica. Trata-se de colocar em suspensão tanto a autoridade do sujeito quanto a familiaridade com o objeto, e a partir desse deslocamento produzir uma reflexão e uma narrativa marcadas pelo contínuo movimento entre o “interior” e o “exterior” das experiências sociais e da própria produção antropológica. Em síntese, é um projeto que procura resgatar nos estudos do ciberespaço a dimensão vivencial dos sujeitos que nele habitam e discutir criticamente a inteligibilidade de uma antropologia no ciberespaço.


GEORGES BATAILLE, FILÓSOFO

05/07/2016 15:41

120 páginas – 1ª edição – 2010

 

ESGOTADO

 

O livro Georges Bataille, filósofo é o resultado de um Curso de Filosofia das Artes organizado por Franco Rella e Susanna Mati na Faculdade de Design e Artes do Istituto Universitario Architettura Venezia (IUAV), em 2005-2006, e dedicado à História do erotismo. Segundo os autores, “a convicção da absoluta centralidade da filosofia na obra de Bataille, frequentemente obscurecida pela crítica, levou-nos a aprofundar esse aspecto – partindo da emersão no curso – nos dois ensaios que constituem as primeiras duas partes do livro. A terceira parte é testemunha do diálogo que está na base dos ensaios e que nos levou a colocar novamente em questão os resultados alcançados, reforçando a ideia de que o pensamento de Bataille é uma das obras filosóficas decisivas do século XX, aberta àquela que definimos como "filosofia futura”.

Franco Rella(1944), professor de Estética (IUAV-Istituto Universitario Architettura Venezia), é um dos grandes filósofos italianos contemporâneos. Rella organizou edições italianas das obras de Baudelaire, Rilke, Hölderlin, Bataille e Flaubert. Entre seus livros mais importantes: Il silenzio e le parole(1981); l’enigma della bellezza (1991); Miti e figure del moderno (1993); Ai confini del corpo (2000); Dall’esilio. Scrittura e testimonianza (2004) Scritture estreme. Proust e Kafka (2005); Micrologie (2007);La responsabilità del pensiero (2009). Alguns de seus livros e muitos ensaios foram traduzidos em inglês, alemão, francês e espanhol.

Susanna Mati(1975) é doutora em Estética. Foi secretária do AISE (Associazione Italiana per gli Studi di Estetica). Colaborou na elaboração da Enciclopedia Filosofica (2006/Bompiani). Organizou livros sobre Novalis, W. F. Otto, G. Bataille e numerosos textos literários para as edições Via del Vento, como o livro Sono fluito e altre poesie (2005), de Fernando Pessoa, e organizou uma edição de “Poesie scelte”, de F. Hölderlin (Feltrinelli/2010). É autora de Ninfa in labirinto (2006); La Piantamitologica (2007) e La mela d’oro. Mito e destino (2009). Atualmente é professora de Estética, na Facoltà di Arti (IUAV-Istituto Universitario Architettura Venezia).


HISTÓRIA DE SÃO FRANCISCO DO SUL

05/07/2016 15:41

176 páginas – 1ª edição – 2004

 

A história do Brasil meridional, mais precisamente a de Santa Catarina, começa em São Francisco do Sul com a chegada, em 1504, do francês Binot Paumier de Gonneville à baía de Babitonga. A expedição desse navegador normando, as posteriores explorações espanholas e vicentistas e a elevação de São Francisco do Sul à categoria de vila, além de outros aspectos históricos do nordeste catarinense, até meados do século XIX, são assuntos analisados nesta obra.